Theratogs | Ataxia (Cerebelar)

Ataxia (Cerebelar)

Principais Usos do Theratogs

Ataxia (Cerebelar)

Como os Sistemas TheraTogs apoiam os objetivos terapêuticos para ataxia?

Objetivo Terapêutico #1: Melhorar a estabilidade do tronco e quadris para aumentar a eficiência e reduzir quedas e colisões.

As roupas TheraTogs são projetadas para comprimir o corpo e resistir à distensão vertical. Em conjunto com as aplicações das faixas (TogRite) selecionadas, proporcionam um abraço corporal customizado com compressão articular vertical que aumenta o volume de estímulos táteis e somatossensoriais e promovem uma resposta de manutenção postural nos músculos do tronco.

Objetivo Terapêutico #2: Reduzir a variedade excessiva de movimentos intencionais dos membros.

As roupas TheraTogs restringem gentilmente os músculos que conectam o tórax à pelve contra o alongamento excessivo durante os movimentos, acrescentando percepção sensorial dos desvios destes segmentos corporais. Foi mostrado que a estabilidade do tronco aumenta o uso das mãos.[1] As faixas (TogRite) podem ser aplicadas à roupa para estabilizar a escápula, aproximar a parte superior dos braços das articulações dos ombros, e reduzir o movimento dos quadris de modo a promover funções mais precisas aos membros.

Sobre a Ataxia Cerebelar

Ataxia é definida como uma inabilidade de gerar trajetórias normais ou esperadas de movimentos voluntários através do espaço, que revelem precisão funcional e coordenada. O déficit atáxico na precisão dos movimentos não é atribuído a fraqueza ou atividade muscular involuntária. [2] (Ver também: déficit de equilíbrio, paralisia cerebral atáxica).

A ataxia é rara em sua forma pura. Um estudo recente mostrou que 6% das crianças com paralisia cerebral têm ataxia [3], mas a mesma é consideravelmente mais comum como um componente de lesão cerebral traumática, derrame do tronco cerebral ou como sequela de ressecção de tumor cerebelar. (Ver também: lesão cerebral traumática)

O cerebelo – uma grande região do cérebro localizada na base do crânio – funciona como um monitor dos nossos movimentos, detectando e corrigindo erros por processamento de estímulos somatossensoriais – as sensações que nos informam sobre os limites do tamanho do nosso corpo, posição no espaço, ângulo das articulações, peso e carga dos membros e, e direção e velocidade de movimentos. Estas informações proprioceptivas são integradas aos demais propósitos e expectativas do cérebro em tempo real.

Sinais característicos de ataxia cerebelar incluem uma base de apoio ampla quando de pé, com desequilíbrio, colisões frequentes com paredes e objetos, e quedas frequentes ao caminhar. Ao tentar alcançar algo, é comum ocorrer tremores ou movimentação além do alvo. O processamento postural neural – e estímulos sensoriais relacionados a movimentos e ajustes constantes nas áreas motoras parecem atrasados, permitindo que a magnitude da mudança do peso corporal e a trajetória de movimentos dos membros sejam exagerados antes que sejam registrados e corrigidos.

Para ver o efeito da ataxia cerebelar no equilíbrio e no andar – comparado lado a lado com o impacto do uso de TheraTogs para tratar a condição – assista a este vídeo de Hannah, de 6 anos. No vídeo, Hannah está usando TheraTogs pela primeira vez. Para a filmagem, ela está usando o sistema Full Body sobre suas roupas – de modo que não está, ainda, recebendo os benefícios totais do uso normal, que é sob as roupas e em contato com a pele.

Referências

  1. Stoykov ME, Stojakovich M, Stevens JA. 2005. Beneficial effects of postural intervention on prehensile action for an individual with ataxia resulting from brainstem stroke. NeuroRehabilitation. 20(2): 85-89.
  2. Sanger TD, Chen D, et al. Definition and classification of negative motor signs in childhood. Pediatrics 2006;118;2159-2167. http://pediatrics.aappublications.org/content/118/5/2159.full.pdf+html.
  3. Himmelmann K, Hagberg G, Beckung E, Hagberg B, Uvebrant P. The changing panorama of cerebral palsy in Sweden. IX. Prevalence and origin in the birth-year period 1995-1998. Acta Paediatr. 2005;94(3):287-94.
No Comments

Post A Comment