Theratogs | Acidente Vascular Encefálico

Acidente Vascular Encefálico

Principais Usos do Theratogs

Acidente Vascular Encefálico

Derrame

Cerca de 80 por cento das vítimas de derrames apresentam hemiparesia, em que um lado do corpo (“hemi”) apresenta fraqueza pronunciada (“paresia”).

Como TheraTogs pode contribuir para o manejo da hemiparesia resultante de derrames?

TheraTogs foram projetados para aumentar a consciência corporal por meio de compressão, e para sustentar as correções posturais que um terapeuta aplica sem o uso de força durante uma sessão de tratamento. O sistema pode ser utilizado no início da reabilitação para auxiliar na estabilização e alinhamento do tronco, quadril e ombros na posição ortostática e durante caminhada, e para facilitar o uso de músculos pouco utilizados. Devido às tiras geralmente necessárias em adultos com hemiparesia devido a derrames, o Sistema Full Body (FBS) é deralmente utilizado para auxiliar os objetivos terapêuticos.

Exemplo:

Maguire (2010) avaliou a atividade do músculo abdutor do quadril afetado em adultos com derrame durante caminhada a) com auxílio de bengala e b) sem auxílio de bengala porém utilizando roupas TheraTogs com tiras para abdução do quadril aplicadas no lado afetado. A atividade dos músculos do quadril afetados diminuiu com o uso da bengala e aumentou significativamente com TheraTogs.[1]

Os sistemas TheraTogs fornecem ao usuário a oportunidade de viver e adquirir alinhamento funcional, postural e articular melhorado através da prática.

  • Com componentes de tiras para os membros.

Sobre o Derrame com Hemiparesia Resultante

Um derrame ocorre quando o aporte de sangue para parte do cérebro é interrompido ou severamente reduzido, privando o tecido cerebral de oxigênio e nutrientes. Em minutos, as células cerebrais começam a morrer. Um derrame pode ser causado por uma artéria bloqueada (derrame isquêmico) ou por um vaso sanguíneo rompido (derrame hemorrágico). Quando a lesão resultante ocorre no córtex motor, é denominada lesão do neurônio motor superior.

A pessoa com hemiparesia apresenta perda de função sensório-motora – particularmente do controle motor seletivo – nos membros, músculos da face e tronco no lado oposto ao lado da lesão cerebral. A espasticidade (respostas em reflexos exagerados observadas nos testes em repouso) pode estar presente, embora a influência da espasticidade na função seja mínima. [2,3,4] O controle cortical das estratégias de movimento é significativamente mais importante que a espasticidade. A gravidade e os níveis de recuperação variam. Para mais informações, acesse: www.stroke.org.

Referências

  1. Maguire C et al. BMC Neurology 2012, 12:18 http://www.biomedcentral.com/1471-2377/12/18
  2. Ada L, Vattanasilp W, O’Dwyer NJ, Crosbie J. 1998. Does spasticity contribute to walking dysfunction? J Neurol Neurosurg Psychiatr. 64: 628-635.
  3. Vattanasilp W, Ada L, Crosbie J. 2000. Contribution of thixotropy, spasticity, and contracture to ankle stiffness after stroke. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 69(1): 34-39.
  4. Nardone A, Galante M, Lucas B, Schieppati M. 2001. Stance control is not affected by paresis and reflex hyperexcitability: the case of spastic patients. J Neurol Neurosurg Psychiatry.70(5): 635-643.
No Comments

Post A Comment